Home » Noticias » Primeira pessoa vacinada contra Covid-19 relata a sua experiência

Primeira pessoa vacinada contra Covid-19 relata a sua experiência

A injeção, aplicada no ombro esquerdo, durou apenas alguns segundos. Mas, com isso, vieram as esperanças de um mundo preso em uma batalha contra o coronavírus. Jennifer Haller, 44 anos, mãe de dois filhos, não vacilou dentro de um laboratório de Seattle, quando um homem de máscara facial e luvas azuis lhe aplicou a injeção.

vacina coronavírus

Semanas antes, Haller, gerente de operações de uma startup de tecnologia, havia avisado os participantes do teste histórico no Facebook. Ela decidiu participar. E se tornaria a primeira pessoa do mundo a receber uma possível vacina para a Covid-19, segundo pesquisadores americanos.

“Mesmo naquela época, estávamos todos muito desamparados”, disse ela em entrevista ao The Telegraph por seu autoisolamento no estado de Washington. “Não havia nada que eu pudesse fazer para impedir essa pandemia global. Então, eu vi essa oportunidade surgir e pensei: ‘Bem, talvez haja algo que eu possa fazer para contribuir.'”

Observando como as coisas que antes eram consideradas intocáveis – como a liberdade de ir e vir e o direito ao trabalho – começaram a desaparecer à sombra da Covid-19, o teste lhe ofereceu algo tangível . “Isso me deu um senso de controle”, disse Haller. “Estamos todos tão indefesos. Isso me deu algo pelo qual eu poderia ser responsável e que poderia ser útil”.

No entanto, o ” sim ” definitivo não foi instantâneo. Ao passar pelos exames médicos necessários para obter aprovação para o teste, amigos e familiares se mostraram preocupados.

O estudo, conduzido pelo Kaiser Permanent Washington Health Research Institute, em Seattle, envolveria duas doses de uma vacina experimental com 28 dias de intervalo e, em seguida, um ano de monitoramento. A vacina, chamada mRNA-1273, foi testada em animais e mostrou-se promissora. Esta foi a primeira vez que seria usada em humanos.

Na verdade, o experimento não envolveria nenhuma parte da própria Covid-19, um ponto no qual Haller tranquilizou seus entes queridos. Mas isso não garantiu muita tranquilidade.

As 45 páginas de isenções de responsabilidade dadas antecipadamente explicitaram as incertezas, principalmente porque os participantes poderiam ser mais vulneráveis a pegar o coronavírus depois . Ela assinou de qualquer maneira. “Havia uma tonelada de riscos envolvidos. Mas sou uma pessoa realmente positiva e os benefícios disso superam os riscos em minha mente”, disse ela.

Haller só descobriu que seria a primeira pessoa a testar a vacina às 8h do dia 16 de março. Nas duas semanas seguintes, ela foi convidada a manter um registro diário de quaisquer sintomas. “No primeiro dia, tive uma temperatura ligeiramente elevada”, contou. “No segundo dia, meu braço estava muito dolorido. Mas foi isso. Tudo ficou bem depois disso. Foi tão fácil quanto uma vacina contra a gripe comum”, descreveu Haller.

Menos simples de lidar, ironicamente, tem sido a onda de atenção que recaiu sobre ela, refletindo a ânsia global por uma luz no fim do túnel em tempos tão sombrios. As entrevistas na televisão foram tranquilas, até. Foi o dilúvio de mensagens de apoio e encorajamento do público que a deixaram mais perplexa.

Seus esforços também não passaram despercebidos pelo presidente dos EUA, ou pelo menos aqueles próximos a ele. Haller disse que não houve mensagem de Donald Trump, mas um aceno mais direto à marca de seu envolvimento.

Imagens dela tomando a injeção apareceram em um novo anúncio de campanha de 30 segundos divulgando sua liderança durante a crise. Ela admitiu, diplomaticamente, ter sido “surpreendida “.

O envolvimento de Haller e dos outros 44 adultos do experimento está apenas começando. A segunda dose deve ser entregue na próxima semana. O monitoramento não terminará até o início de 2021. E Haller continua confiante de que uma vacina bem-sucedida surgirá , seja a sua ou daqueles que estão avançando em outros cantos do mundo.

“Assim que chegarmos à vacina, seja ela qual for, terei orgulho de fazer parte do processo”, disse ela.

Quanto a qualquer elogio, ela diz que são as “centenas de milhares” de pessoas que colocam suas vidas em risco, continuando com seus empregos – profissionais de saúde, funcionários de lojas, agricultores e zeladores – que realmente merecem isso.

“Essa humildade é genuína”, disse ela. “É uma coisa que posso fazer e estou feliz em fazê-lo. Não estou salvando o mundo.”

About Duilio Luz

Amante da tecnologia e coach de redes sociais, web designer e perito em marketing digital.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*